Categorias
Uncategorized

PEREGRINAÇÃO AO SANTUÁRIO SÃO JUDAS TADEU

topo-jubileu-de-misericordia-2015_0Algumas práticas fazem parte da vivência dos Anos Jubilares: Abertura e passagem pela Porta Santa, peregrinações, pregações especiais e chamados à conversão, confissão, concessão de indulgências, caridade e outros exercícios ligados ao tema do Ano Santo…

O Papa deseja que as celebrações e iniciativas do Ano Santo não aconteçam apenas em alguns “lugares santos”, mas nas dioceses de todo o mundo; por isso, pediu aos bispos diocesanos que deem orientações locais ao povo nesse sentido.

PEREGRINAÇÕES

Peregrinações fazem parte de quase todas as tradições religiosas do mundo. Na Bíblia, conhecemos as peregrinações anuais para o templo de Jerusalém, que também Jesus fazia. No Cristianismo, os lugares relacionados com as origens da nossa fé e ligados a Jesus Cristo e aos apóstolos tornaram-se metas de peregrinação bem cedo e continuam sendo até hoje. Muitos outros “lugares santos” e santuários, especialmente significativos para a fé, como os lugares das aparições de Nossa Senhora ou o túmulo dos santos e dos mártires, passaram a fazer parte da piedade popular e metas de peregrinação. A Igreja põe grande valor nas peregrinações e estimula a pastoral dos santuários e lugares santos.

As peregrinações também têm forte valor simbólico e lembram o peregrinar do homem pelo mundo, sem que tenha aqui “pátria definitiva” (cf. Fl 3,20): estamos à procura da “cidade que há de vir”, a “Jerusalém celeste” (cf. Ap 21,1-2). Somos peregrinos neste mundo e buscamos a “casa do Pai” (cf. Jo 14,2). Quando o homem se põem a peregrinar, ele procura matar um pouco daquela saudade misteriosa do encontro com Deus, que todos trazem no coração. Ao fazê-lo, os cristãos procuram seguir os passos de Jesus Cristo Salvador, “caminho, verdade e vida”, que vai à frente da humanidade peregrinante, para que ela não perca o rumo nem desfaleça no caminho (cf. Jo 14, 5-6).

As peregrinações do Ano Santo precisam ser preparadas com antecedência, mediante a pregação sobre a misericórdia de Deus, as práticas de penitência e as obras de misericórdia; não deve faltar a celebração penitencial e a confissão em preparação à peregrinação, que deverá ter um sentido religioso e de júbilo: “Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!” (Sl 122,1). Nas Missas celebradas nas peregrinações, será dada também a bênção com a indulgência plenária do Ano Santo para aqueles que estiverem bem dispostos a recebê-la.

Cada Paróquia, organização eclesial e pastoral, deverá organizar a sua peregrinação e reservar a data no calendário da programação do Ano Santo na igreja onde a peregrinação será feita. Geralmente, as peregrinações sejam feitas no sábado à tarde e no domingo, ou em dias feriados, para dar maior possibilidade de participação ao povo. As datas das peregrinações das comunidades sejam amplamente divulgadas, com o convite à participação.

Nas peregrinações, é aconselhado fazer um gesto concreto comunitário de caridade e misericórdia, mediante uma coleta em dinheiro ou em gêneros não perecíveis, a serem destinados conforme decisão da comunidade peregrinante. A Mitra da Arquidiocese terá uma conta para a qual poderão também ser versadas as doações em dinheiro, a serem, depois, encaminhadas pela Arquidiocese às devidas destinações.

PEREGRINAÇÃO DE NOSSA PARÓQUIA

AO SANTUÁRIO SÃO JUDAS TADEU: 14 DE MAIO, SÁBADO.

MISSA ÀS 12 HORAS.

Conheça a Carta Pastoral de Dom Odilo sobre o Ano Santo Extraordinário da Misericórdia

Deixe uma resposta